Temporariamente no Rio

Dezembro 18, 2010

Estou no sol do Rio. Estava sentindo saudades do sol e do calor. Agora já estou sentindo tudo quente demais. Pelo menos vou conseguir quebrar o frio do inverno em dois e segurar as pontas até a primavera chegar.

Já consegui rever alguns amigos e familiares. Meu sobrinho de quase quatro anos não desgruda de mim. Tive até que botá-lo para dormir hoje se não ele não aceitaria ir para a cama.

Peguei um pouco de sol, mas ainda nem o suficiente para tirar essa pele branquela de mim. Minhas pernas não estão com nenhum pouco de saudades das ceroulas e das calças.

Matei saudades do catupiry, do pão de queijo, do aipim frito, da empadinha, do pastel… Engraçado é pensar que aqui no Rio quase sempre a pastelaria é de algum chinês, mas em Vancouver que tem muito, mas muito chinês mesmo, nenhum deles faz pastel…

Aproveitei também a oportunidade para assisitir à dois filmes que provavelmente não chegarão em Vancouver. Dificilmente um filme de língua não inglesa chega lá fora de festivais. Os filmes foram o argentino Abutres e o brasileiro Tropa de Elite 2.

Como o cinema brasileiro não anda lá muito bem de bons filmes e nem tem muitos outros em cartaz, acho que vai ficar por aí mesmo.

Anúncios

Às vezes não faz diferença se está sol, chuva ou nublado

Dezembro 13, 2010

Os dias mais curtos acabam fazendo a gente jantar mais cedo e ficar com sono antes da hora. Por volta das 4 da tarde já está escurecendo. Aí começa a dar uma moleza…

A partir do dia 21 de dezembro os dias param de diminuir e passam a crescer. 

Mas tem um lugar em que você às vezes perde a noção de se é dia ou noite, se chove ou faz sol. O set de cinema.

Semanas atrás estava numa gravação dentro de um ginásio da Simon Fraser University. Tinham vários canhões de luz do lado de fora. Dentro não dava para ter a mínima noção de se fora estava claro ou escuro. Num dos dias entrei no ginásio antes das 7 da manhã, ainda escuro, e só saí tarde da noite. Para mim o dia foi gigantesco por estar lá dentro.

Outro dia a gravação foi dentro de uma loja de móveis, The Brick. Os canhões de luz do lado de fora simulavam o sol. Enquanto estava lá dentro parecia um dia ensolarado. Quando saía, podia ver o dia chuvoso e nublado.

É estranho como a gente pode se enganar. O princípio do cinema e TV na verdade é a enganação. Eles te enganam fazendo acreditar que aqueles atores são amigos, namorados, familiares. Te enganam também quanto às situações e aos lugares.

O filme do Esquadrão Classe A foi todo gravado em Vancouver. O centro da cidade virou Frankfurt. O centro de convenções virou uma estação de trem. A região perto de Kelowna virou o México. Cloverdale virou uma base militar americana no Iraque. E outras regiões ao sul de Vancouver viraram as ruas de Bagdá.  

Na série que tenho trabalhado, Hellcats, a história se passa em Menphis e é gravada toda aqui. Mas também, não são muitos os que já foram em Memphis e que conseguem dizer que o que está na tela é na verdade Vancouver. Até porque todas as possíveis referências ao Canadá são meticulosamente banidas da tela.


Prédio mal assombrado

Dezembro 7, 2010

A maior parte das pessoas que trabalham com cinema/TV aqui em Vancouver já ouviu falar do Riverview Hospital em Coquitlam. Muitas produções são gravadas lá. E dizem que é mal assombrado.

O hospital era para doentes mentais. O prédio central, Crease, e alguns outros foram abandonados. Mas abandonados no sentido canadense. Já deixou de ser hospital há mais de 15 anos. O uso que tem hoje em dia é para filmagens.

O Crease é um prédio muito, mas muito grande, cheio de quartos/salas, e longuíssimos corredores. E de noite andando por esses corredores só passa pela cabeça o filme O Iluminado, que não foi feito aqui, mas em algum outro lugar do país.

O atrativo para as produções filmarem aqui é desde o pé direito ser bem alto até não ter ninguém por perto. O prédio meio que virou estúdio. É o lugar mais usado para filmagens no Canadá.  Tem uma parte lá dentro que tem o formato de uma delegacia com cela e tudo. Tem uma parte que foi mantida como hospital. Tem salões grandes. Tem túneis no subsolo bem escuros e cheios de canos aparentes.

Provavelmente você já viu imagens do Riverview e não sabia. Entre os filmes e séries, tão diferentes entre si, estão: Arquivo X, Fringe, Hellcats, Supernatural, Smallville, Romeu tem que Morrer, Esquadrão Classe A, Watchmen, Jenifers Body, Halloween Ressurection.

Tive gravações lá na semana passada e terei mais essa semana. O lugar durante o dia é bem bonito e tranquilo. Mas quase todo mundo com que você fala tem alguma estória sobre fantasmas naquele lugar.

O segurança disse que viu uns vultos pretos durante a noite. Um dos caras que trabalham comigo diz que, de uma outra vez, teve que entrar numa sala vazia e escura e viu um vulto branco. Um dos caras tirou uma foto em que apareceram uns riscos estranhos. Essa foto eu vi e é realmente estranha.

Achava que canadense fosse um povo sem crendices e tal, mas ninguém fala dos fantasmas de lá com desdém. Todo mundo fala com um certo respeito. Vai ver que eles existem mesmo. 

Nunca vi nenhum. Nem na semana passada, nem da primeira vez que fui no ano passado. Espero nem nunca ver. Mas andar pelos corredores de noite é bem sinistro. Assustador até. Tem inclusive uma sala que, conta a lenda, faziam lobotomia nos pacientes.


Tá frio pra cara*&^%$##!

Dezembro 5, 2010

Já ouvi muitas pessoas falarem de como os dias menores e o frio podem afetar o seu humor e te deixar depressivo. Sempre achei isso uma frescura. O sol tem aparecido por volta das 8 da manhã e ido embora por volta das 4 da tarde.

Tem até uma lâmpada que muitos compram que simularia os raios solares e te deixaria mais bem disposto.

Quando três semanas atrás a temperatura caiu de repente, senti a frescura na pele. Um dia estava por volta dos 10 graus. No outro foi para quase -5. E nos dias seguintes chegou a ter a sensação térmica de -14.

Foram quase duas semanas de muito frio. De um dia para o outro fiquei de mau humor. A única coisa que conseguia falar para a Luiza é: Tá frio pra cara*&^%$##! 

Fiquei por uns quatro ou cinco dias evitando sair de casa. Só conseguia pensar na passagem marcada para o Brasil. E também pensando que não ia conseguir morar aqui por muito tempo.

Bom, esses quatro ou cinco dias passaram. O meu trabalho é ao ar livre. O que me forçou a sair de casa e encarar a temperatura de frente. O mau humor passou. Não comprei a tal lâmpada. Mas continuei só pensando no calor do Rio. E todo mundo estava reclamando que estava frio lá…

A última semana veio bem melhor. A temperatura subiu dos zero. Tem ficado de dia por volta dos 5 graus. Tem ficado num frio que é tolerável e é possível lidar. Mas o pensamento de ir para o calor do Rio e quebrar o inverno (que oficialmente ainda nem começou) em dois.

Ao mesmo tempo todo mundo no Rio começou a reclamar que agora está quente demais. Provavelmente vou chegar lá e gostar do calor por dois ou três dias. E depois vou ficar reclamando e sentindo falta do frio…


O Rio e a situação atual do Brasil

Novembro 26, 2010

É triste ver o  que está acontecendo no Rio esses dias. Mas também não é nada que não fosse esperado. Algum dia teria que acontecer. Se a política pública é ocupar as favelas com as UPPs e tirar os traficantes de lá, um dia eles revidariam.

Mas morando quase dois anos fora só me ajudaram a reforçar algumas coisas que já pensava. As pessoas lá normalmente reclamam muito das coisas estarem erradas e não fazem nada para que algo possa mudar.

Acho que as coisas só vão realmente melhorar quando cada um resolver fazer a sua parte. Fazer a sua parte começa por obedecer às leis. Coisas simples como não jogar papel no chão pelas ruas. Ou como não furar fila. Ou passar pelo acostamento para evitar o trânsito. Ou respeitar o sinal fechado. Ou subornar o policial para não receber uma multa. 

Na verdade tudo isso passa muito por respeitar ao outro. Respeitar a sociedade.

O passo seguinte seria passar a cobrar dos governantes o que eles deveriam estar fazendo.

Vancouver não é o lugar perfeito, mas posso citar o exemplo do que aconteceu aqui. O governador da província foi eleito prometendo não aumentar os impostos. Qual foi uma das primeiras coisas que ele fez? Pois é, aumentou os impostos. A famigerada HST.

O que aconteceu? A população se indignou. Começou a reclamar, a protestar. Não chegaram a bater panelas como na Argentina. Lembrem-se que aqui o sangue é mais frio.

Mas a oposição organizou um abaixo assinado. Conseguiram assinatura de quase 15% de todos os votantes da província. O governador teve que convocar um referendo sobre o imposto. O referendo vai ser em algum momento do segundo semestre do ano que vem e a população provavelmente votará contra a permanência no imposto.

O maior resultado disso tudo foi que o governador perdeu todo e qualquer apoio popular. Perdeu também a credibilidade. Não teve muita saída e renunciou.

Claro que não é só isso. Um dos grandes problemas a serem resolvidos no Brasil é a educação. Mas se cada um começar a fazer a sua parte e a cobrar do outro que também faça a sua parte, as coisas vão poder começar a melhorar.

Citando outro exemplo daqui, as pessoas cobram que os outros também façam sua parte. Já vi gente reclamando com outra pessoa na rua porque jogou papel no chão.

Bom, essa é minha opinião.


Mais neve

Novembro 26, 2010

Ontem amanheceu nevando. E nevou relativamente bastante.  

Tive folga porque a maioria das produções de TV e cinema filmadas aqui são produções americanas. Ou seja, produtores e atores, pelo menos, são do lado de lá da fronteira. Feriado importante (Thanksgiving) lá, folga aqui. 

As pessoas não estão acostumadas com a neve aqui. Tive que ir no safeway fazer compras e a moça do caixa estava reclamando que o filho dela ia ter que ir buscá-la porque ela estava com medo de dirigir para casa.

Apesar de não ter nevado tanto para a cidade parar, muitas universidades fecharam. Muitas pessoas resolveram trabalhar de casa porque não sabem dirigir na neve. O skytrain ficou parado por um tempo. E  aconteceram várias batidas de carro pela cidade.

Gostaria de postar fotos da neve, mas não sei o que está acontecendo com o word press que não consigo publicar nenhuma foto.   


White Christmas

Novembro 22, 2010

Sexta-feira nevou em Vancouver. Foi de noite. Ainda estava trabalhando quando começou. Cheguei em casa a tempo de ver a rua em frente de casa ficar branca.

Quando chegamos em Vancouver, no último dia de fevereiro de 2009, pegamos o final de um inverno rigoroso. Não chegamos a ver neve de verdade na cidade. Só uma chuvinha bem de leve de flocos de neve bem rápida.

Ano passado o inverno foi quente. Tiveram duas semanas de bastante frio em dezembro de 2009. De resto, a temperatura se manteve acima de 5 graus. Faltou até neve nas montanhas para as Olimpíadas. Não teve rastro de neve na cidade.

Esse ano promete ser um dos mais frios de todos os tempos graças a La Niña. Da semana retrasada para a passada, a temperatura caiu bastante. Dos 10 graus para zero ou entorno disso. E sexta nevou.

Não foi uma neve de parar a cidade e nem de causar transtornos. Mas ainda foi dia 20 de novembro. Dezembro ainda nem começou. O inverno propriamente dito ainda não chegou. Mas se agora já está frio, fico imaginando em dezembro e janeiro como vai ser… pelo menos vou escapar por 15 dias pro Rio…

O problema é que dá uma preguiça de sair de casa. Aqui está tão quentinho. Para sair dá tanto trabalho… é tanta roupa para colocar… e trabalhar ao ar livre não ajuda muito…

Acho que o jeito é pensar que agora já são menos dias de frio pela frente do que antes…  Vamo que vamo!